condição: imigrante

1.

desde que cheguei
um cão me segue

&

mesmo que haja quilômetros
mesmo que haja obstáculos
entre nós

sinto seu hálito quente
no meu pescoço.

desde que cheguei
um cão me segue

&

não me deixa
frequentar os lugares badalados

não me deixa
usar um dialeto diferente do que há aqui
guardei minhas gírias no fundo da mala
ele rosna.

desde que cheguei
um cão me segue

&

esse cão, eu apelidei de
imigração.

2.

um país que te rosna
uma cidade que te rosna
ruas que te rosnam:

como um cão selvagem

esqueça aquela ideia
infantil aquela lembrança
infantil

de sua mão afagando um cão
de sua mão afagando

seu próprio cão

ficou em outro país
ironicamente, porque a raiva lá
não é controlada

aqui, tampouco:

um país que te rosna
uma cidade que te rosna
ruas que te rosnam:

como um cão

: selvagem.

condición: inmigrante

1.

desde que llegué
un perro me sigue

&

incluso si hay kilómetros
incluso si hay obstáculos

entre nosotros

siento su aliento cálido
en mi cuello.

desde que llegué
un perro me sigue

&

no me deja
frecuentar los lugares que están de moda

no me deja
utilizar un dialecto diferente del que hay aquí
mantuve mis argots en el fondo de la maleta
él gruñe.

desde que llegué
un perro me sigue

y

ese perro, lo apodé
inmigración.

2.

un país que gruñe
una ciudad que gruñe
calles que gruñen:

como un perro salvaje

olvide la idea
infantil la memoria
infantil

de su mano acariciando un perro
de su mano acariciando

su propio perro

se quedó en otro país
irónicamente, porque la rabia
no se controla allá

aquí, tampoco:

un país que gruñe
una ciudad que gruñe
calles que gruñen:

como un perro
: salvaje.

para este país

para este país
eu traria

os documentos que me tornam gente
os documentos que comprovam: eu existo
parece bobagem, mas aqui
eu ainda não tenho esta certeza: existo.

para este país
eu traria

meu diploma os livros que eu li
minha caixa de fotografias
meus aparelhos eletrônicos
minhas melhores calcinhas

para este país
eu traria
meu corpo

para este país
eu traria todas essas coisas
& mais, mas

não me permitiram malas

: o espaço era pequeno demais

aquele navio poderia afundar
aquele avião poderia partir-se

com o peso que tem uma vida.

para este país
eu trouxe

a cor da minha pele
meu cabelo crespo
meu idioma materno
minhas comidas preferidas
na memória da minha língua

para este país
eu trouxe

meus orixás
sobre a minha cabeça
toda minha árvore genealógica
antepassados, as raízes

para este país
eu trouxe todas essas coisas
& mais

: ninguém notou,
mas minha mala pesa tanto.

para este país

para este país
traería

los documentos que me tornan gente
los documentos que comprueban: yo existo
suena tonto, pero aquí
todavía no tengo esta certeza: yo existo.

para este país
traería

mi diploma los libros que leí
mi caja de fotografías
mis aparatos electrónicos
mis mejores bragas

para este país
me traería
mi cuerpo.

para este país
traería
todas estas cosas
y más, pero

no me permitirán bolsas

: el espacio es demasiado pequeño

ese barco podría hundirse
ese avión podría estrellarse

con el peso que tiene mi vida.

para este país
traje

el color de mi piel
mi pelo rizado
mi lengua materna
mis comidas favoritas
en la memoria.

para este país
traje

mis dioses
sobre mi cabeza
todo mi árbol genealógico
antepasados y raíces.

para este país
he traído todas estas cosas
y más

: nadie se ha dado cuenta,
pero mi maleta pesa tanto.

ser mulher é uma bênção
ser mulher é poder gerar & poder parir
ser mulher é ter buceta, dois seios, uma bunda grande

ser mulher é
ser loira, olhos claros, nunca descabelar-se
é ter sangue escorrendo entre as pernas & não deixar que percebam mesmo que

você corra
você nade
você dance

ser mulher é uma bênção
e desde a Bíblia é ser apedrejada queimada morta
uma contradição

eu descobri agora que
não sou mulher

estou viva
nunca queimada
nunca apedrejada

eu descobri agora que
não sou mulher

sou negra, sou apenas uma negra

e o sangue que vem do meu ventre
permito que seja rio
que volte pra terra e

corro
nado
danço

descabelo-me

eu descobri agora que
não sou mulher

eu tenho pinto
apenas um seio
quadril estreito

nunca pari

eu descobri agora que
não sou mulher

ser mulher é uma bênção.

ser mujer es una bendición
ser mujer es generar y parir
ser mujer es tener una concha, dos senos, un culo grande.

ser mujer es
ser rubia, tener ojos claros, jamás descabellarse
es tener sangre escurriendo por sus piernas y no dejar que se note aunque usted

corra
nade
dance

ser mujer es una bendición
y desde los tiempos bíblicos es ser apedreada quemada muerta
una contradicción

descubrí ahora que
no soy mujer

soy negra, sólo una negra

y la sangre que sale de mi vientre
dejo que sea un río y
vuelva para la tierra mientras

corro
nado
descabéllome

descubrí ahora que
no soy mujer

tengo pene
sólo un seno
la cadera estrecha

jamás parí

descubrí ahora que
no soy mujer

ser mujer es una bendición.

Lubi Prates nasceu em 1986, em São Paulo (Brasil). Graduada em Psicologia e especializando-se em Psicoterapia Reichiana. Tem publicado o livro coração na boca (Editora Multifoco, 2012, republicado pela Patuá, 2016) e triz (Patuá, 2016) e algumas participações em revistas e antologias literárias nacionais e internacionais. Edita a revista literária Parênteses, é tradutora e dedica-se, principalmente, a ações que combatem a invisibilidade da mulher e da negritude no meio literário.

Escrito por Lubi Prates

Lubi Prates é uma poeta paulistana, nascida em 86. É editora em revistas literárias e tradutora.