Conhecemos com os pulmões
a proficiência
de uma leveza; sua nutrição
freática, nome
que (clandestinamente)
nos festeja.

::

Amor, contingência que contagia;
abertura impura, sinuosa:
sinuosa insurreição
— quando o sol se adensa
(e
a sede seduz
sem sedar).

::

Cada jogo, uma jornada;
a força que
se deforma (fervura onde venta)
previne
o edema da obediência.

::

Os afetos que fundamos
—ou difundimos— confundem
o furor
da afasia (e seu afago
aflito).

::

A saliva, um barbante;
bocas (versáteis
e variadas) mestiçando o tato
no tatame antes
do instante.

Escrito por Casé Lontra Marques

Casé Lontra Marques nasceu em 1985, em Volta Redonda (Rio de Janeiro). Mora em Vitória (Espírito Santo). Publicou "O que se cala não nos cura", "Saber o sol do esquecimento" e "Mares inacabados", entre outros. Reúne o que escreve em caselontramarques.blogspot.com.br.