(OUTRO CORPO)

é que às vezes
carrego esses peixes na mão.

às vezes o nó é só nó mesmo, sabe?

talvez seja um cisco
rasgando, um risco, outro enxame.

é que essas mariposas incham demais.

pode ser outra mancha que cresce com o corpo,
pode ser um pouco
de vida, um sopro engolido, outro
corpo saindo do corpo.

é que o peixe, essas mariposas,
essa coisa aqui no peito, ó!… deixa pra lá.

 

(PESCA & BUNGEE JUMPING & GANGORRA)

< um branco branco na tela

                                                     tensa
a esperança de um lado,                  ,
                                                                      balança.

 

                                                                      descansa.
a angústia do outro,                          ,
                                         suspensa
uma fenda entre o nada e o ser.
uma corda bamba no pescoço
cravada à vara (bambu de osso)
sobe-desce pelo feixe
de abismos do
                         p
                         o
                         e
                         m
                         a
                         .
                         .
                         .
                     peixe >

 

(OFERENDA)

voz a grunhidos
coro ao indizível

sabor ao eterno
corpo ao etéreo

música à falta
forma pro nada
espelho à ausência
à dor agudeza
ao torpe beleza
sintaxe a deus
ciência pra todos
revide pra morte
ritmo ao tempo
movimento
deslocamento
sentido

 

*** poemas do projeto poético inédito “Peixe de Vidro” / foto: por Izabelle Lisboa

 

 

 

 

Escrito por Willian Delarte

Escritor brasileiro. Autor dos livros "Sentimento do Fim do Mundo" (poesia), "Cravos da Noite" (contos) e "O Alien da Linha Azul" (poesia). Tem publicações em diversas mídias e antologias. Foi co-editor da revista REBOSTEIO Digital.