não me reconheço nessa mesa de estar

nos talheres postos em diagonal

de tantas virtudes rasgadas

amealhada no cós da saia

 

não consigo apontar para

o mar

e da janela, o alumbramento desveste a dor

tem cinza

em estado liquido

estado bruto

 

os cílios amargurados soltam

histórias aveludadas

tão somente na força

do riso

e da tristeza

igualam em bordado

 

assumem o tom

de absurdo, dissecado pelas vísceras,

num átimo respiro, aprofundo no

o copo

 

Escrito por Ingrid Morandian

“Como titereiro, no silêncio, brinco com as palavras na composição de textos. Estanco na fronteira do real e da ficção, e esvazio de todo eu através da escrita.” Publicações: Água Terra Fogo Ar – Crônicas elementais, Ed. Uapê, 2011 – História Íntima da Leitura, Editora Vagamundo, 2012 – Revista Plural 1900 e Revista Plural La Barca, 2016, Ed. Scenarium Livros Artesanais - Senhoras Obscenas, 2016, Editora Benfazeja – Revista Mallarmargens e Revista Diversos Afins. Contato: imorandian36@gmail.com