tão perto tão longe

nossas vidas se atracaram e foi

um papo de três dias

nossa árvore genealógica se tange

você cru e doce

uns olhos de russian buda

mar calmo teu olho denso

espelho negro e vivo

teu olho denso

penso te apresentar a escatologia

da minha nudez

uma a  uma as cicatrizes

as estórias que elas contam

te mostrei a pequena marca

de bala  de borracha, de raspão

ainda temos de caminhar pelo centro

toda a presença tua brilha

agora, queria te dizer que teu cheiro

apareceu aqui sem dó

e inebriou de fuligem meu corpo

agora extraio  do turvo em meu peito

esse poema gosma

feliz como um lepidóptero

o platô diante do abismo

onde tudo é exultante