1.

A sala vazia os móveis gastos embalados

transportados para longe daqui,

um pequeno gesto do que é a solidão.

Os móveis ausentes,

o corpo na contramão de toda a arrumação

os lençóis menos brancos do que ontem,

os lençóis desarrumados tornam menos confortável

o corpo.

Um eco expande o espasmo de pequenos movimentos,

uma sonata um acorde,

tudo o que vibra nesse espaço vazio:

Nada vinga que não seja silêncio e morte.

2.

Rever os passos na calçada,

– acertar a medida do impossível –

do ensaio que não é mudez

apenas lapso que habita o silêncio da cartografia

sem medidas.

Nas horas mudas

inabitadas

o quarto espesso reflete o instante no espelho

onde mora meu melhor semblante,

ainda sim irreconhecível

que corta e fere todas as palavras que não foram ditas.

3.

Falhar sempre e um pouco mais

essa é a única lição

enquanto traço meu epitáfio –

geografia turva,

cartografia falha por sobre a pele dos fatos.

Percorrer essa trilha de acidentes e percursos

onde a linguagem chama e cala,

permanentemente.

4.

Estar aberto à vida por todos os poros;

O pequeno torpor dos dias

ocupa todas as vias de expressão.

Um cântico um grito um alento

que vibre o silêncio da entrega.

Medir cada passo que alcança

a desesperança,

recompor a grafia dos tempos mortos –

onde o mudo alcance das palavras sela o pacto do sentido.

*Fernanda Fatureto é autora de Ensaios para a queda (Penalux, 2017). Bacharel em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Participa das antologias poéticas 29 de Abril: o verso da violência; Subversa 2 e Senhoras Obscenas. Estreou com o livro de poemas Intimidade Inconfessável (Patuá, 2014). Possui poemas em revistas literárias do Brasil e nas revistas portuguesas Enfermaria 6 e InComunidade. fernandafatureto.wordpress.com

Escrito por Fernanda Fatureto

Fernanda Fatureto é autora de "Ensaios para a queda" (Penalux, 2017). Bacharel em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Possui poemas em revistas literárias do Brasil, nas revistas portuguesas Enfermaria 6; Eufeme e InComunidade e na revista espanhola Cuaderno Ático. Participa das antologias "Damas entre Verdes" (Edições Senhoras Obscenas, 2018); "29 de Abril: o verso da violência"; "Subversa 2" e "Senhoras Obscenas". Estreou com o livro de poemas "Intimidade Inconfessável" (Patuá, 2014). Site: https://fernandafatureto.wordpress.com