esperando menino

não bateram à porta: abri
do lado de fora
três reis magros cansados
procuram uma estrela

perderam a viagem

eu também procuro uma estrela
e ainda não perdi a esperança

é ela que há de anunciar
a chegada do deus que vai
enfim ressuscitar o mundo

então

nunca mais nenhum deus nascerá como homem
nunca mais homem nenhum morrerá como deus

§

esperando al niño

no golpearon la puerta: abrí
del lado de afuera
tres reyes magros cansados
que buscaban una estrella

perdieron el viaje

yo también procuro una estrella
y aún no perdí la esperanza

es ella que traerá el anuncio
la llegada del dios que va
a resucitar por fín al mundo

entonces

nunca más ningún dios nacerá como hombre
nunca más hombre ninguno morirá como dios

[Tradução Aníbal Beça | Imagem ©Felipe Stefani]

Escrito por Silvana Guimarães

Silvana Guimarães (Belo Horizonte/MG). Escritora e socióloga, participou de algumas coletâneas, entre elas, duas que organizou: "29 de abril: o verso da violência" (Patuá, 2015), "Dedo de Moça — Uma Antologia das Escritoras Suicidas" (Terracota, 2009), "Hiperconexões — Realidade Expandida Vol. 2" (Org. Luiz Bras, Patuá, 2014) e "1917-2017 — O Século sem Fim" (Org. Marco Aqueiva, Patuá, 2017). Editora da Germina — Revista de Literatura & Arte e do site Escritoras Suicidas. Vive em Belo Horizonte.