Amanhã

Amanhã não existe
O que ocupa o seu lugar
É um eu
Meu eu
Meu outro eu
– Um duplo
Que reorganiza o desmanche
Do meu corpo.
Elimino todas as partes táteis
E deixo existir
Entre outros duplos
Alguns únicos inexistentes
Em um espaço
Sem tempo.
O futuro não existe.


Animalesco

Reparto um corpo em dois pedaços
eles navegam
sobre um último olhar
sustentam um gigantesco animal
sob uma pele rasgada
o sol divido

Escrito por Lucas Perito

Lucas Perito - Nasceu em São Paulo em 1985. É graduado em Comunicação em Multimeios pela PUC-SP. Trabalhou na editora Empresa das Artes, escrevendo livros ligados a história e fotografia, fazendo os textos de acompanhamento para o livro fotográfico “Caminhos da Mantiqueira” (2011) de Galileu Garcia Junior. Tem alguns poemas publicados na Revista Zunái, revista Diversos Afins, Revista Benfazeja, R. Nott Magazine, Caderno-Revista 7 Faces, Revista Parênteses, Revista Entreverbo, Revista Saúva, Escamandro, Jornal RelevO, Revista Gueto, O Poema do Poeta, InComunidade (Portugal), Enfermaria6 (Portugal) e Liberoamérica (Espanha). Também participou como tradutor na Revista Parênteses, Escamandro, projeto Pontes Outras e no Ponto Virgulina. Tem traduzido Charles Cros, David Diop, James Wright, Amparo Osorio, Abdellatif Laâbi, María Emilia Cornejo, Jacques Prevel, entre outros. Seu livro de estreia, 38 Movimentos, sai em fevereiro de 2018 pela Lumme Editor.