Bassam Allam
tempo de pressa
depressa passa
fica-nos o vulto
do vento que podia ser leve
: lembrança peralta da infância.
dê vaga ao que
chama [devagarinho
diga que] ama : abençoe-se
desde os pés ao coração
e todo o resto do corpo.
que o açúcar e o afeto
nunca faltem mas matem
a amargura e o azedo da alma
: ouvindo o berro desse teu peito
histérico [desde anteontem em
diante] a vida anuncia que amanhã
hoje e sempre renuncia a morte dentro de nós.

Escrito por Nayara Fernandes

Nayara Fernandes (Teresina - PI, 1988) é escritora e poeta brasileira. Autora do livro “Asas de pedra” (Selo Edith, 2017). Tem poemas publicados em diversas revistas literárias no Brasil como Alagunas, Mallarmargens, Acrobata, Germina, Diversos Afins, Escritoras Suicidas e The São Paulo Times. Além dos sites LiteraturaBR e Livre Opinião - ideias em debate. Participou da coletânea Quebras - uma viagem literária pelo Brasil (Selo Edith , 2015). Ousada, sistemática e inquieta escreve em "Eu tenho asas de pedra" nayarafernandes.wordpress.com.