Irina Joanne
como sede aos vícios
prometo falhar todos
os dias em diferentes
horas lugares ensejos
.
eu não sou mulher
de meio corpo meia alma ou
meio peito escancarado
[antes não ser do que ser
apenas o possível (a metade)]
.
se não está cheio : nem quero
se não está cheio : nem sequer
é um corpo de sorte sangue e fratura
entre o risco o vício e o deslumbre
.
meu coração não é
maior que o mundo
nele não cabem nem
minhas próprias dores
.
por isso me conto me
dispo me grito dissipo
e despedaço [pétala a
pétala pulverizo a dor
o peso e o cansaço]
.
repousada sobre a origem da carne
conforme a vida nasce estendo meus
olhos em territórios insensatos [cruzo
resignada] minha esperança transpõe
todas as fronteiras indeléveis das falhas.

Escrito por Nayara Fernandes

Nayara Fernandes (Teresina - PI, 1988) é escritora e poeta brasileira. Autora do livro “Asas de pedra” (Selo Edith, 2017). Tem poemas publicados em diversas revistas literárias no Brasil como Alagunas, Mallarmargens, Acrobata, Germina, Diversos Afins, Escritoras Suicidas e The São Paulo Times. Além dos sites LiteraturaBR e Livre Opinião - ideias em debate. Participou da coletânea Quebras - uma viagem literária pelo Brasil (Selo Edith , 2015). Ousada, sistemática e inquieta escreve em "Eu tenho asas de pedra" nayarafernandes.wordpress.com.