Verão (ou mais uma versão do grande vidro)

Às vezes penso tanto

em gente,

que fico enjoada de vontade

 

o estômago embrulha

vou ficando aérea meio lesma voadora

até que outro corpo me tome de assalto

e alegria

e me devolva as patas ao chão

BUM!

 

Pegadas

Cheiro que não o meu

a dar baforadas do pescoço

ao nariz,

 

um saco de porra que me olha

e olha

até que perca o juízo

e vire um menino da boca curiosa,

 

um cigarro fumado que caiu da janela

gordo de chuva

no pátio,

 

dor nos músculos entre-coxas e virilha,

me umedeço em momentos inapropriados

por três dias,

mais ou menos,

 

umas mordidas se repetem sem corpo

enquanto corro os olhos no vidro do ônibus.

 

Rastros de um bichinho fugidio

que eu gosto

de ver

brincar

se perder por aí.

 

Bicha loca

Digo direi, de verdade: eu estava bêbado de meu.

Ah, esta vida, às não-vezes, é terrível bonita, horrorosamente,

esta vida é grande.

G. Rosa

 

Teve um dia

que eu encontrei, naquele bar que elogia o marido da Elza,

o ex-patrão que PUXOU O MEU CABELO

larguei os amigos na calçada

e caminhei

vagarosamente

enquanto seus olhos se agarravam nos meus

em brasa

 

EU GRITO

EU GRITO

EU GRITO

 

e o senhor se esconde atrás do dono do bar

que ao sinal de comando

abana o rabo e vem atrás de mim

pedir o copo de volta.

 

Minhas mãos desobedecem

e ouço cacos na sarjeta,

desfilo,

sem olhar pra trás,

nem pra baixo.

 

O boy do tinder me oferece carona,

que eu recuso,

orgulhosa e bêbada

pra dar às mãos à lua cheia

que decide dar a minha mochila (umdoceumbegumcaderninho)

ao homem da rua

que espia,

camisa branca,

atrás da árvore.

 

Caio no chão,

mordo sua mão que me amordaça

com toda a força do meu ser

– como sempre sonhei fazer em pele viva –

 

Grito que sou o capeta e vou matá-lo,

ele soca meu olho, dou chutes desesperados

GRITO

ele corre com o prêmio nas costas

 

Eu ganho arranhões na bunda,

um olho roxo, a boca inchada.

Rebolo a raba no espelho,

tiro uma foto,

conto pra todo mundo

orgulhosa.

 

Escrito por Priscila Lira

É escritora e artista visual.