O REI LAGARTO

                                                                               ao som de The Soft Parade, The Doors (1969)

o poema quer
embriagar a alma

com êxtase e morfina
galopar num corcel de fogo

até dissolver
as palavras;

o poema quer decifrar o blues
que ecoa na boca dos mortos

[transmutar os braços em folhas
as pernas, em raízes profundas]

o poeta
vai além:

deseja ser uma mosca
no cabelo do Jim Morrison

**
Gabriel Cortilho,
do livro “O Esboço do Cavalo” (2018)

Escrito por Gabriel Cortilho

Gabriel Cortilho (1992- ) é poeta e professor de História em Araraquara, no interior de São Paulo. Possui como referência a poesia de Manoel de Barros e Fernando Pessoa. Tem poemas divulgados pelas revistas Carlos Zemek; Mallarmargens; O Poema do Poeta; Escrita 47 (Guatá- Cultura em Movimento). Organiza seus escritos em livretos, sendo eles: Atemporal/Cronológico (2014), Transitório (2015), A Transa dos Besouros Verdes (2016), O Poema e a Cachaça (2017) e Javali Radioativo (2017), A Carne e o Licor de Moscas (2017), Os Fios Esquecidos Pelos Olhos (2017) e O Poema Entre as Ruínas (2018).