Maria Petrova
ausente de sentido
a palavra é a própria
vida ausente [quiçá estéril]
a dor de sentir dor
.
um ardor quase infinito
eriça enlaça esboça
a pele o peito a pane
um ardor quase infinito
excita suscita exulta
.
dos poros às pernas
das pernas aos sexos
dos gestos jeitos desejos
.
penetram nos pulmões
tóxicos dos sentimentos
gozam da caixa torácica
dos devaneios
.
estanca e bate
estanca e bate
estanca e bate
[dói o coração do estômago].

Escrito por Nayara Fernandes

Nayara Fernandes (Teresina - PI, 1988) é escritora e poeta brasileira. Autora do livro “Asas de pedra” (Selo Edith, 2017). Tem poemas publicados em diversas revistas literárias no Brasil como Alagunas, Mallarmargens, Acrobata, Germina, Diversos Afins, Escritoras Suicidas e The São Paulo Times. Além dos sites LiteraturaBR e Livre Opinião - ideias em debate. Participou da coletânea Quebras - uma viagem literária pelo Brasil (Selo Edith , 2015). Ousada, sistemática e inquieta escreve em "Eu tenho asas de pedra" nayarafernandes.wordpress.com.