com minha camisa vermelha
sangue-tiê, sangue mamífero

sangue nordestino
negro e índio
sangue amazônico rio
sangue rio sangue

sangue diário menstrual
ofertado e repartido
sangue estranhador de ismo

sem ustra na pista
sem ista nem listra
sem título

sem faixa

sangue só sangue
só bandeira sangue

sangue pobre e preto de tão pobre
sangue gay, trans, sangue de mulher
sangue palestino américo-latino

sangue divino de ilê ifé

com meus aliens no azul
sobre a cidade branca
pálida verde e amarela
eu vou

eu
voo

eu sangro

 

*
imagem: tiê-sangue (@parqueestadualserradomar.sp.gov.br)

Escrito por Willian Delarte

Escritor brasileiro. Autor dos livros "Sentimento do Fim do Mundo" (poesia - Patuá, 2011), "Cravos da Noite" (contos - Patuá, 2014), "O Alien da Linha Azul" (poesia - Edições Incendiárias, 2016) e "A Lua nos Olhos de Maria" (infanto-juvenil - Selin Trovoar, 2018). É co-organizador da antologia "A Última Canção" (contos - Patuá, 2018). Tem publicações em diversas mídias e antologias. Foi co-editor da revista REBOSTEIO Digital.