Alicja Rodzik

Sabe? Eu acho de uma boniteza única a maneira que te trago: resguardo aqui dentro. Te guardo com um carinho raro. Um carinho intransferível – é teu com um ponto sem vírgula. Aponto de eu mesma não saber das pontas das linhas.

Não adianta tentar explicar para o outro – o bordado do laço é gracioso, mas desgraçou o fio do arremate. Hoje não mais se desfaz a costura: acostumou-se com a beleza do encanto. Porque se trata de uma ternura nossa: só você entende quando descansa nestas palavras. Somos segredo.

Segredo de bem querer cuidar: bem-querer e cuidado. Segredo de amor-pássaro – livre. Te gosto com minha alma: meu o corpo se deixa tragar pela embriagues dos sentimentos. Te gosto além dos defeitos: acima das torturas e muita mais do que tuas chaturas.

É bom e bonito e bendito. Te sinto perto mesmo sem estar. Estando na memória que não esquece e que te celebra com uma felicidade imensa e que me faz esses convites repentinos: de dizer-te o quanto você é importante nos meus dias.

Vida teu sorriso é o que preciso para abraçar o mundo e muito mais. Tua ausência me condena a dor da saudade do ar nos pulmões da minha alma.

Escrito por Nayara Fernandes

Nayara Fernandes (Teresina - PI, 1988) é escritora e poeta brasileira. Autora do livro “Asas de pedra” (Selo Edith, 2017). Tem poemas publicados em diversas revistas literárias no Brasil como Alagunas, Mallarmargens, Acrobata, Germina, Diversos Afins, Escritoras Suicidas e The São Paulo Times. Além dos sites LiteraturaBR e Livre Opinião - ideias em debate. Participou da coletânea Quebras - uma viagem literária pelo Brasil (Selo Edith , 2015). Ousada, sistemática e inquieta escreve em "Eu tenho asas de pedra" nayarafernandes.wordpress.com.