Mundo sem alma

Oprisco

nas geografias do tempo
passos ecoam num
mundo sem alma

decerto, enquanto não
mergulharmos de corpo
e alma e medos

a vida é a superfície
[nadando à favor
das fúrias dos mares]
de olhos antigos comungando
as profundezas de um coração cego

“viver dói
o resto é poesia”.

A %d blogueros les gusta esto: