Mugido de Marília Floôr Kosby

mata essa vaca
machorra
a mulher-macho
machorra
que nada quer com os homens
essa vaca machorra
a quem querem as outras mulheres

a grande menarca

nunca que eu vendi um boi gordo
nunca que comprei um potro
do mesmo sangue que eu

com nossa senhora das cabeças de vaca faltei
nas poucas promessas que fiz
não fiz por merecer
nada que prestasse

e eu sei onde tudo começou
a maldição dos imprestáveis:
pequena ouvi uma voz vinda do alto
farfalhada entre bigodes
me dizia um dia
isso tudo vai ser teu

juro por deus eu não via nada
entre as tábuas da porteira
nada que eu pudesse chamar de meu
não se via nada

era céu e pasto e miragens de lonjuras
juro por deus eu não via nada
minha nossa senhora do prolapso vaginal
não tinha nada ali naquilo tudo

foi ali

ali naquela coxilha do chasqueiro eu ganhei o mundo
uma égua rosilha que morreu baguala
uma terneira mocha
que se largou no primeiro boiadeiro
que passou

la gran menarquia

nunca que vendí un buey gordo
nunca que compré un potro
de la misma sangre que yo

con nuestra señora de las cabezas de vaca
falté
en las pocas promesas que hice
no hice por merecer
nada que prestara

y yo sé dónde todo empezó
la maldición de los inútiles:
pequeña oí una voz venida del alto
susurrada entre bigotes
me decía un día
eso todo va a ser tuyo

juro por dios que no veía nada
entre las tablas de la portera
nada que pudiera decir mío
no se veía nada

era cielo y pasto y espejismos de lejanías
o por dios que no veía nada
mi nuestra señora del prolapso vaginal
no había nada allí en aquello todo

vaca machorra

mata
essa vaca machorra
mata esse animal seco
essa vaca sem leite
mata isso
é sem serventia

mata la vaca machorra
que nada quiere con toros
quien no lo quieren los machos
que mate
el hambre de todos !

mata essa vaca
machorra
a mulher-macho
machorra
que nada quer com os homens
essa vaca machorra
a quem querem as outras mulheres

fura
esse saco de ossos
sem serventia
ora, mata
seu moço sem
serventia
pra que servem
os homens

vaca machorra

esta vaca machorra
mata este animal seco
esa vaca sin leche
mata esto
es sin provecho

mata a vaca machorra
que nada quer com touros
a que não querem os machos
que mate
a fome de todos!

mata esta vaca
machorra
la marimacho
machorra
que nada quiere con los hombres
esta vaca machorra
a quien quieren las otras mujeres

pincha
ese saco de huesos
sin provecho
ora, mata
su mozo sin
provecho
pa que sirven
los hombres

um touro

quando cobre uma vaca
ele tem uma peça
700 gramas entre 500 quilos

ele tem uma peça
pra encaixar
que nem sempre encaixa bem
são 499,3 kg e uma vida
quadrúpede

tem vaca que não arria
é o cio
mas muitas muitas muitas
se descaderam
desencaixam o eixo das ancas
estragam a carcaça
não prestam pra mais nada

é o cio
dos machos

é mais forte

un toro

cuando cubre una vaca
tiene una pieza
700 gramos entre 500 kilos

tiene una pieza
pa encajar
que no siempre encaja bien
son 499,3 kg y una vida
cuadrúpeda

hay vaca que no se desploma
es el celo
pero muchas muchas muchas
se derrengan
desencajan el eje de las ancas
estragan el cadáver
no sirven más pa nada

es el celo
de los machos

es más fuerte

os ruminantes devem ter uns quatro estômagos

tudo que eles engolem vida afora volta
eu não sei
quantas vezes!

e uma língua só
uma boca só
um cu apenas

mas o escroto de um ruminante
não se rompe assim no más
é muito mais forte que os demais
o saco desses animais
não cai assim
no más

por isso é possível capar os machos ruminantes
pelos mais diversos e experimentais métodos de emasculação:
empurrar as bolas de volta para dentro da cavidade abdominal
danificar o canal espermático com emasculador sem machucar a
pele do prepúcio
destruir as bolas a marretadas
sangrar não é preciso
tristes toscas engenhosas mandíbulas
as dos ruminantes
como será estar nessa vida
se vendo abortar
o vômito

los rumiantes deben tener unos cuatro estómagos

todo que tragan por toda su vida
vuelve
yo no sé
¡cuántas veces!

y una solo lengua
una solo boca
un culo apenas

pero el escroto de un rumiante
no se rompe así no más
es mucho más fuerte que los demás
los huevos de esos animales
no caen así
no más

por eso es posible capar los machos rumiantes
por los más diversos y experimentales métodos de emasculación:

empujar los cojones de vuelta para dentro de la cavidad abdominal
dañar el canal espermático con emasculador sin herir la
piel del prepucio
destruir las bolas a mazazos

sangrar no es necesario
tristes toscas ingeniosas quijadas
las de los rumiantes

cómo será estar en esa vida
viéndose abortar
el vómito

bodoque

sou eu toda
um tímpano

– não sois vós?

o amor nas canções
um assovio pelas costas
fonemas de horror
em frases feitas
pra me amansar

o cão ouve
muitas vezes mais
do que o ser humano

sou eu toda um tímpano só
debaixo da cama
em noite de foguetes

eu toda um tímpano só
me confundo com o mundo

silencia e

poupa as pedras
do teu bodoque

honda

soy yo toda
un tímpano
solo
¿no sois vosotros?

el amor en las canciones
un silbado por las espaldas
fonemas de horror
en frases hechas
para amansarme

el perro oye
muchas veces más
que el ser humano

soy yo toda un tímpano solo
bajo la cama
en noche de cohetes

yo toda un tímpano solo
me confundo con el mundo

silencia y
ahorra las piedras
de tu honda

Poemas: do livro Mugido [ou diários de uma doula]

Edições: Douda Correria: Lisboa, 2019

Autora:Marília Floôr Kosby

Tradução: Adriana Kerchner (Grupo Legba/UFRGS)

Marília Kosbe por @vitoriaproenca (13 of 22)

Marília Floôr Kosby

nasceu no extremo sul do Brasil, em 1984. É autora dos livros de poesia Mugido (2017) e Os baobás do fim do mundo (2011), dentre outros. Foi premiada em festivais de canção popular e, com o ensaio “Nós cultuamos todas as doçuras” (Procultura Pelotas, 2015), recebeu o Prêmio Açorianos de Literatura (2016) e o Prêmio Boas Práticas de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial Brasileiro (2015). Em 2018, a edição brasileira do livro Mugido esteve entre os finalistas do Prêmio Jabuti de literatura. Doutora em antropologia social, se dedica à pesquisa e criação de narrativas “contra-hegemônicas”, tendo inventado o curso Buscando a letra xucra: iniciação em poesia desgarrada. Atualmente, está radicada em Boa Vista/RR, extremo norte do Brasil.

Escrito por Lisa Alves

Lisa Alves (1981) es una escritora y artista visual brasileña. Es parte del consejo editorial de la revista Mallarmargens, coeditora de Liberoamérica (España) y escribe reseñas de libros para la revista Incomunidade (Portugal). Tiene textos publicados en varias revistas, periódicos y páginas literarias en Brasil, España, Inglaterra, Mozambique y Portugal. Tiene poemas y cuentos publicados en doce antologías lanzadas en Brasil, Argentina, Chile, España y el País Vasco. Ella es la autora del libro de poesía Arame Farpado (2ª. Edição, Penalux, 2018).

A %d blogueros les gusta esto: